O esquema DRI – Digital Repository Interface

O DRI (Digital Repository Interface) é um esquema que rege a estrutura de uma página DSpace Manakin quando codificada como um documento XML. Ela determina quais os elementos podem estar presentes no documento e a relação entre os elementos. Este documento explica a finalidade do DRI, fornece uma visão geral da arquitetura e explica os padrões de design comuns. O apêndice inclui uma referência completa para os elementos utilizados no esquema DRI, uma representação gráfica da hierarquia dos elementos e uma tabela de elementos e atributos de referência rápida.

Índice:

INTRODUÇÃO

Este manual descreve o Digital Repository Interface (DRI) que se aplica ao repositório digital DSpace e na interface baseada em XMLUI Manakin.O XMLUI DSpace é um sistema de UI (User Interface) abrangente. É centralizada e genérica, permitindo-lhe ser aplicada a todas as páginas DSpace, sendo eficaz para substituir o sistema de interface baseado em JSP. Sua capacidade de aplicar estilos específicos para arbitrariamente grandes conjuntos de páginas DSpace facilita significativamente a tarefa de adaptar o “look and feel” do DSpace. Isso também permite vários níveis de marcação, gerando credibilidade institucional para o repositório e coleções.

O Manakin, a segunda versão do DSpace XML UI, é composto por vários componentes, escritos usando Java, XML e XSL, e é implementado em Cocoon. O centro da interface é o documento XML, que é uma representação semântica de uma página DSpace. No Manakin, o documento XML adere a um esquema chamado de Digital Repository Interface (DRI), que foi desenvolvido em conjunto com o Manakin e é o assunto deste guia. Para o restante deste guia, os termos do documento XML, documento DRI e documento serão usados de forma intercambiável.

Este documento explica a finalidade do DRI, fornece uma visão geral da arquitetura e explica os padrões de design comuns. O apêndice inclui uma referência completa para os elementos utilizados no esquema DRI, uma representação gráfica da hierarquia dos elementos e uma tabela de elementos e atributos de referência rápida.

O PROPÓSITO DO ESQUEMA DRI

DRI é um esquema que comanda a estrutura do documento XML. Ela determina os elementos que podem estar presentes no documento e a relação dos elementos uns com os outros. Uma vez que todos os componentes Manakin geram documentos XML que aderem ao esquema DRI, o documento XML serve como camada de abstração. Dois componentes: temas e aspectos são essenciais para o funcionamento do Manakin e são brevementes descritos neste manual.

O DESENVOLVIMENTO DO ESQUEMA DRI

O esquema DRI foi desenvolvido para uso no Manakin. A escolha para desenvolver o nosso próprio esquema, em vez de adaptar um já existente veio depois de uma análise cuidadosa do propósito do esquema, bem como as lições aprendidas a partir de tentativas anteriores de personalização da interface DSpace. Uma vez que cada página DSpace no Manakin existe como um documento XML em algum ponto do processo, o esquema que descreve este documento tinha de ser capaz de representar estruturalmente todo o conteúdo, metadados e relações entre diferentes partes de uma página DSpace. Tinha que ser preciso o suficiente para evitar a perda de qualquer informação estrutural e ainda genérico o suficiente para permitir Temas com um certo grau de liberdade para expressar essa informação em um formato legível.

Esquemas populares como XHTML sofrem com o problema de não relacionar elementos em conjunto de forma explicita. Por exemplo, se um título precede um parágrafo, o título está relacionado com o parágrafo não porque ele é codificado como tal, mas porque ele precede o elemento parágrafo. Quando tenta-se traduzir essas estruturas dentro de formatos onde esses tipos de relacionamentos são explícitos, a tradução torna-se tediosa e potencialmente problemática. Esquemas mais estruturados, como TEI ou DocBook, são de domínio específico (muito parecido com o próprio DRI) e, portanto, não é adequado para nossos propósitos.

Decidimos também que o esquema deve suportar nativamente um padrão de metadados para a codificação de artefatos. Ao invés de codificar metadados de artefatos em elementos estruturais, como tabelas ou listas, o esquema incluiria artefatos como objetos codificados em um padrão particular. A inclusão de metadados em formato nativo permitiria que o Tema escolhesse o melhor método para exibir o artefato sem estar amarrado a uma estrutura particular.

Em última análise, optamos por desenvolver o nosso próprio esquema. Nós construímos o esquema DRI através da incorporação de outras normas, quando apropriado, como o esquema i18n do Cocoon para internacionalização, Dublin Core da DCMI e a o esquema METS da Library of Congress’s. O projeto de elementos estruturais derivou fundamentalmente do TEI , com alguns dos padrões de design de outras normas existentes, como DocBook e XHTML. Enquanto os elementos estruturais foram projetados para serem facilmente traduzidos em XHTML, eles preservam as relações semânticas para uso em linguagens mais expressivas.

DRI NO MANAKIN

O processo geral para o tratamento de uma requisição no DSpace XMLUI consiste em duas partes. A primeira parte constrói o documento XML e a segunda parte estiliza o Documento para a saída. No Manakin, as duas partes não são discretas, então são embrulhadas dentro de dois processos: Content Generation, que constrói uma representação XML da página, e Application Style, que estiliza o documento resultante. Content Generation é realizado pelo Aspect chaining, enquanto o Application Style é realizado por um tema.

TEMAS

Um tema é uma coleção de folhas de estilo XSL e arquivos de suporte, como imagens, estilos CSS, traduções e documentos de ajuda. As folhas de estilo XSL são aplicadas ao documento DRI para convertê-lo em um formato legível e dar-lhe estrutura e formatação visual. Os arquivos de suporte são usados ​​para fornecer a página um específico look and feel, inserir imagens e outros meios de comunicação, traduzir o conteúdo e executar outras tarefas. O formato de saída usado atualmente é XHTML e os arquivos de suporte são geralmente limitados a CSS, imagens e JavaScript. Mais formatos de saída, como PDF ou SVG podem ser adicionados no futuro.

A instalação DSpace manakin pode ter vários temas associados. Quando aplicado a uma página, um tema determina a maioria do look and fell. Diferentes temas podem ser aplicados a diferentes conjuntos de páginas DSpace permitindo tanto a variedade de estilos entre as séries de páginas e a consistência dentro desses conjuntos. O arquivo de configuração xmlui.xconf determina quais temas são aplicados para as páginas DSpace (veja a seção XMLUI Configuration and Customization seção para mais informações sobre como instalar e configurar temas). Os temas podem ser configurados para aplicar-se a todas as páginas de um tipo específico, como browse-by-title, a todas as páginas de uma determinada comunidade ou uma coleção ou conjuntos de comunidades e coleções, e qualquer mistura dos dois. Eles também podem ser configurados para se aplicar a um página arbitrária ou um handle.

CHAIN ASPECTS – CADEIA DE ASPECTOS

Os Aspects Manakin são arranjos de componentes Cocoon (transformadores, ações, matchers, etc) que implementam um novo conjunto de recursos acoplados para o sistema. Estes aspectos são encadeados para formar todas as características do manakin. Cinco aspectos existem na instalação padrão do manakin, cada um lida com um determinado conjunto de características do DSpace, e muito mais pode ser adicionado ao implementar recursos extras. Todos os Aspectos tem um documento DRI como entrada e também geram um documento DRI como saída. Isso permite que os aspectos sejam unidos para formar uma cadeia de Aspect. Cada aspecto da cadeia leva um documento DRI como entrada, adiciona sua própria funcionalidade, e passa o documento modificado para o próximo Aspecto na cadeia.

DESIGN PATTERNS COMUNS

Existem vários padrões de projeto utilizados de forma consistente dentro do esquema DRI. Esta seção identifica a necessidade e descreve a implementação desses padrões. Três padrões são discutidos: questões de linguagem e de internacionalização, o atributo trio padrão ( id , n , erend ), e o uso de marcação orientada a estrutura.

LOCALIZAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO

Internacionalização é um componente muito importante do sistema de DRI. Ele permite que o conteúdo a ser oferecido em outras línguas com base na localidade do usuário e condicionada à disponibilidade de traduções, bem como datas atuais e moeda de forma localizada. Existem dois tipos de conteúdo: o conteúdo traduzido armazenado e exibido pelo próprio DSpace e conteúdo introduzido pelo processo de styling DRI nas transformações XSL. Ambos os tipos são tratados pelo transformador i18n do Cocoon sem levar em conta sua origem.

Quando o processo de geração de conteúdo produz um documento DRI, algum do conteúdo textual pode ser marcado com i18n elementos para significar que as traduções estão disponíveis para esse conteúdo. Durante o processo de aplicação de estilo, o tema também pode introduzir um novo conteúdo textual, marcando-o com i18n tags. Como resultado, após modelos XSL do tema são aplicadas ao documento DRI, o resultado final consiste em uma página DSpace marcado no formato de apresentação escolhido (como XHTML) com i18n elementos de ambos DSpace e conteúdo XSL. Este documento final é enviado através de transformador de i18n do Cocoon que traduz o texto marcado.

STANDARD ATTRIBUTE TRIPLET – PADRÃO TRIO DE ATRIBUTOS

Muitos elementos do sistema de DRI (todos os containers de nível superior, classes de caracteres e muitos outros) contém um ou vários dos três atributos padrão: id , n , e rend . Os atributos ID e podem ser obrigatórios ou opcionais baseados no propósito do elemento, enquanto o atributo rend é sempre opcional. Os dois primeiros são usados ​​para fins de identificação, enquanto que o terceiro é utilizado como uma pitada de exibição para o passo de styling.

A identificação é importante porque permite que elementos sejam separados de seus pares para a classificação, renderização em caso especial e outras tarefas. O primeiro atributo, ID , é o identificador global e é único para todo o documento. Qualquer elemento que contém um atributo ID pode, assim, ser referenciado exclusivamente por ele. O atributo ID de um elemento pode ser atribuído tanto explicitamente, ou gerado a partir da Java Class Path do objeto de origem se nenhum nome for dado. Embora todos os elementos que podem ser identificadas exclusivamente podem transportar o atributo ID, apenas aqueles que são independentes no seu contexto tem a necessidade de fazer isso. Por exemplo, as tabelas são obrigadas a terem uma identificação, pois precisam manter o significado independentemente da sua localização no documento, enquanto as linhas da tabela e células podem omitir o atributo já que seu significado depende do elemento pai.

O atributo n é simplesmente o nome atribuído ao elemento e que é utilizado para distinguir um elemento de seus pares imediatos. No exemplo de uma lista particular, todos os itens dessa lista terão nomes diferentes para distingui-los uns dos outros. Outras listas no documento, no entanto, também pode conter itens cujos nomes serão diferentes um do outro, mas idênticos aos da primeira lista. O atributo n de um elemento é, portanto, único apenas no âmbito do pai desse elemento e é usado principalmente para fins de classificação e prestação especial de uma certa classe de elementos, como, por exemplo, todos os primeiros itens em listas, ou todos os itens com o nome “browse”. O atributo n segue as mesmas regras como id para determinar se é ou não é exigido para um determinado elemento.

O último atributo no padrão trio é o rend. Ao contrário do id e n , o atributo rend pode consistir de vários valores de espaços delimitados e é opcional para todos os elementos que podem contê-lo. Seu objetivo é fornecer uma dica de renderização da camada intermediária do componente para estilizar o tema. Há vários casos, onde o conteúdo do atributo rend é descrito em detalhes e seu uso é incentivado. Esses casos são os elementos de ênfase hi , o elemento de divisão div, e o elemento list. Por favor, consulte o manual de Referência de Elementos para obter mais detalhes sobre eles.

MARCAÇÃO ORIENTADA A ESTRUTURA

O padrão de projeto final é o uso de marcação orientada a estrutura para o conteúdo transportado pelo documento XML. Uma vez gerado pela Cocoon, o documento contém dois tipos principais de informação: metadados sobre o repositório e seu conteúdo e o conteúdo real da página a ser exibida. Uma visão completa de metadados e marcação de conteúdo e sua relação com outros elementos é dada na próxima seção. Uma coisa importante a notar aqui, no entanto, é que a marcação do conteúdo é voltado para declarar explicitamente as relações estruturais entre os elementos ao invés de focar os aspectos de apresentação. Isso faz com que a marcação utilizada pelo documento seja mais semelhante ao TEI ou Docbook em vez de HTML. Por esta razão, templates XSL são utilizadas pelos temas para converter a marcação DRI estrutural para XHTML. Mesmo assim é feita uma tentativa para criar XHTML estrutural sempre que possível, deixando a apresentação inteiramente no CSS. Isso permite que o documento XML seja genérico o suficiente para representar qualquer página DSpace sem informar como ela deveria ser renderizada.

VISÃO GERAL DO ESQUEMA

O documento XML DRI consiste do elemento raiz document e três elementos de nível superior que contém dois tipos principais de elementos. Os três containers de nível superior são meta, body e options. Os dois tipos de elementos que eles contêm são metadados e conteúdo, levando metadados sobre a página e os conteúdos da página, respectivamente. A Figura 1 mostra a relação entre estes seis componentes.

Figura 1: Os dois tipos de conteúdo em três divisões principais de uma página DRI.

O elemento document é a raiz de todas as páginas da DRI e contém todos os outros elementos. Ele tem apenas um atributo, versão, que contém o número da versão do sistema DRI e o esquema usado para validar o documento produzido. Na hora de escrever o número da versão de trabalho é “1.1”.

O elemento meta é um elemento de nível superior com o número e contém todas as informações de metadados sobre a página, o usuário que a solicitou e o repositório que foi usado. Ele não contém elementos estruturais, pelo contrário, sendo o único container de elementos de metadados em um documento DRI. Os metadados armazenados pelo elemento meta é dividido em três grandes grupos: userMeta , pageMeta e objectMeta , cada um armazenando informação sobre o seu respectivo componente. Por favor, consulte as entradas de referência para mais informações sobre estes elementos.

O elemento options é outro elemento de nível superior que contém todas as opções de navegação e de ação disponíveis para o usuário. As opções são armazenados como itens de elementos da lista, divididas pelo tipo de ação que executam. Os cinco tipos de ações são: navegação, pesquisa, seleção de idioma, as ações que estão sempre disponíveis, e as ações que são dependentes do contexto. Os dois tipos de ação também conter sub-listas que contêm as ações disponíveis para usuários de diferentes níveis de acesso ao sistema. O elemento options não contém elementos de metadados e só pode fazer uso de um pequeno conjunto de elementos estruturais, ou seja, os elementos list e de seus filhos.

O último grande elemento superior é o elemento body. Ele contém todos os elementos estruturais em um documento DRI, incluindo as listas utilizadas pelo elemento options. Os elementos estruturais são usados ​​para construir uma representação genérica de uma página DSpace. Qualquer página DSpace pode ser representada com uma combinação de elementos estruturais, o que por sua vez, podem ser transformados pelos modelos XSL em outro formato. Este é o principal mecanismo que permite que o DSpace XMLUI aplique templates uniformes e regras de estilo para todas as páginas do DSpace e é a diferença fundamental entre a abordagem JSP usada pelo DSpace.

O elemento body contém diretamente apenas um tipo de elemento: div.O elemento div serve como uma grande divisão de conteúdo e qualquer número deles pode ser contido pelo corpo . Além disso, as divisões são recursivas, permitindo que divs possam conter outros divs . É dentro destes elementos que todos os outros elementos estruturais estão. Esses elementos incluem tabelas, elementos de parágrafo p, listas, assim como os seus diversos elementos filhos. Nos níveis mais baixos desta hierarquia encontram-se os elementos de character container. Esses elementos, parágrafos p, table cells, listas de items, e o elemento de ênfase hi, contém o conteúdo textual de uma página DSpace, opcionalmente modificada com links, figuras e ênfase. Se a divisão dentro do qual a classe de caracteres está contida é marcado como interativa (via atributo interactive), esses elementos também podem conter campos de formulário interativos. Divisões marcadas como interativas também devem fornecer os atributos method e action para que seus campos sejam utilizados.

Figura 2: Todos os elementos no esquema DRI (versão 1.1).

MERGE DE DOCUMENTOS DRI

Tendo descrito a estrutura do documento DRI, bem como sua função no Aspect chains do Manakin, voltaremos agora a nossa atenção para o último detalhe de seu uso: fazer merge de dois documentos em um só. Existem várias situações em que a necessidade de fundir dois documentos surge. No Manakin, por exemplo, cada aspecto é responsável por adicionar uma funcionalidade diferente para uma página DSpace. Uma vez que cada instância de uma página tem que ser um documento DRI completo, cada aspecto é confrontado com a tarefa de fundir o documento gerado com outro documento gerado (e fundido em um único documento) previamente pela execução dos aspectos. Por esta razão existem regras que descrevem os elementos que podem ser mesclados e o que acontece com seus dados e elementos filhos no processo.

Ao mesclar dois documentos DRI, um é considerado o documento principal e o outro é um documento feeder que é adicionado dentro do principal. Os três container de nível superior (meta , body e options) de ambos os documentos são analisados ​​individualmente e mesclados. No caso dos elementos options e meta, as  tags filhas são pegas individualmente e são tratadas de forma diferente de seus irmãos.

Os elementos body são os mais fáceis de fundir: seus respectivos div filhos são preservados, juntamente com ele mesmo e estão agrupados sob um mesmo elemento. Assim, a nova tag body conterá todos os divs do documento principal seguido por todos os divs do feeder. No entanto, se duas divs têm os mesmos atributos n e rend (e no caso de uma div interativa os mesmos atributos action e method), essas divs serão fundidas em uma só. A div resultante terá os atributos id , n , e rend da div do documento principal e conterá todas as divs do documento principal seguido por todas as divs do feeder. Este processo continua recursivamente até que todas as divs sejam fundidas. Deve notar-se que duas divisões com regras de paginação separadas não podem ser fundidas em conjunto.

Merclar os elementos options é um pouco diferente. Primeiro, os elementos list sob options de ambos os documentos são comparados uns com os outros. Aqueles que forem únicos para ambos os documentos são simplesmente adicionados sob o novo elemento options, assim como divs sob o elemento body. Em caso de elementos duplicados, ou seja, elementos list que pertencem a ambos os documentos e tem o mesmo atributo n, as duas lists serão fundidas em uma só. O novo elemento list será composto do elemento head do documento principal, seguido dos pares label-item do documento principal, e finalmente, os pares label-item do feeder, desde que sejam diferentes daqueles do principal.

Finalmente, os elementos meta são fundidos bem como os elementos sob o body. Os três filhos de meta – userMeta , pageMeta e objectMeta – são fundidos individualmente, adicionando o conteúdo do feeder após o conteúdo do principal.

ALTERAÇÃO DE VERSÕES

O esquema DRI continuará a evoluir de acordo com as necessidades de design de interface. O atributo version do documento vai indicar qual a versão do esquema do documento está em conformidade. Na época o Manakin foi incorporado ao padrão de distribuição DSpace, a versão atual era “1.1”, porém as versões anteriores da interface Manakin podem usar a versão “1.0”.

ALTERAÇÃO 1.0 – 1.1

Houveram grandes mudanças estruturais entre estes dois números de versão. Vários elementos foram removidos do esquema: includeSetincludeobjectMeta, and object. Originalmente todos os metadados para objetos foram incluídos em linha com o documento DRI, este provou ter vários problemas e foi removido na versão 1.1 do esquema. Em vez de incluir metadados em linha, foram incluídas referências externas para os metadados. Assim um elemento reference foi adicionado juntamente com referenceSet . Estes novos elementos funcionam como suas contrapartes na versão anterior, exceto sobre referenciar metadados contidos no elemento objectMeta que se referem a metadados em arquivos externos. Os elementos repository repositoryMeta também foram modificados de forma semelhante removendo metadados em linha e referenciando documentos de metadados externos.

REFERÊNCIA DE ELEMENTOS

Element Attributes Required?
BODY    
cell    
  cols  
  id  
  n  
  rend  
  role  
  rows  
div    
  action required for interactive behavior
  behaviorSensitivFields  
  currentPage  
  firstItemIndex  
  id required
  interactive  
  itemsTotal  
  lastItemIndex  
  method required for interactive
  n required
  nextPage  
  pagesTotal  
  pageURLMask  
  pagination  
  previousPage  
  rend  
DOCUMENT version required
field    
  disabled  
  id required
  n required
  rend  
  required  
  type required
figure    
  rend  
  source  
  target  
head    
  id  
  n  
  rend  
help    
hi rend required
instance    
item    
  id  
  n  
  rend  
label    
  id  
  n  
  rend  
list    
  id required
  n required
  rend  
  type  
META    
metadata    
  element required
  language  
  qualifier  
OPTIONS    
p    
  id  
  n  
  rend  
pageMeta    
params    
  cols  
  maxlength  
  multiple  
  operations  
  rows  
  size  
reference    
  url required
  repositoryID required
  type  
referenceSet    
  id required
  n required
  orderBy  
  rend  
  type required
repository    
  repositoryID required
  url required
repositoryMeta    
row    
  id  
  n  
  rend  
  role required
table    
  cols required
  id required
  n required
  rend  
  rows required
trail    
  rend  
  target  
userMeta authenticated required
value    
  optionSelected  
  optionValue  
  type required
xref target required

BODY

Container de nível superior

body é o principal elemento container para todo o conteúdo exibido para o usuário. Ele contém um conjunto de elementos div que agrupam o conteúdo em blocos de interação e exibição.

Parent

  • document

Children

  • div (qualquer)

Atributos

  • Nenhum
<document version=1.0>
  <meta> ... </meta>
   <body>
    <div n="division-example1"
    id="XMLExample.div.division-example1">
     ...
    </div>
    <div n="division-example2" id="XMLExample.div.division-example2"
    interactive="yes" action="www.DRItest.com"
    method="post">
     ...
    </div>
     ...
   </body>
  <options> ... </options>
</document>

cell

Rich Text Container

Elemento estrutural

O elemento cell contido em uma linha de uma tabela traz conteúdo para essa tabela. É um container de caracteres, como p, item, e hi e seu objetivo principal é exibir os dados textuais, possivelmente com com hyperlinks, blocos de enfatização de texto, imagens e campos de formulários. Cada cell pode ser anotada com uma role (sendo a mais comum “header” e “data”) e pode esticar em qualquer número de linhas e colunas. Como as cells não podem existir fora do seu container (row), seu atributo id é opcional.

Parent

  • row

Children

  • hi (qualquer)
  • xref (qualquer)
  • figure (qualquer)
  • field (qualquer)

Atributos

  • cols : (opcional) O número de colunas abrangidas pela célula.
  • id : (opcional) Um identificador único do elemento.
  • n : (opcional) Um identificador de local usado para diferenciar o elemento de seus irmãos.
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usada para substituir o padrão de exibição do elemento.
  • role : (opcional) Um atributo opcional para substituir as configurações da row onde a cell está contida.
  • rows : (opcional) O número de linhas que a célula abrange.
<table n="table-example" id="XMLExample.table.table-example" rows="2"
    cols="3">
    <row role="head">
       <cell cols="2">Data Label One and Two</cell> <cell>Data Label
    Three</cell>
      ...
    </row>
    <row>
       <cell> Value One </cell> <cell> Value Two </cell> <cell> Value
    Three </cell>
      ...
    </row>
    ...
</table>

div

Elemento estrutural

O elemento div representa uma grande parte do conteúdo e pode conter uma grande variedade de elementos estruturais para apresentar conteúdo ao usuário. Ele pode conter parágrafos, tabelas e listas, bem como referências para informações armazenadas no artifactMetarepositoryMetacollections, and communities. O elemento div também é recursivo, permitindo-lhe ser ainda dividido em outros divs. As divs podem ser de dois tipos: interativas e estáticas. Os dois tipos são definidos através da utilização do atributo interactive e diferem na sua capacidade para conter o conteúdo interativo. Elementos filhos de divs marcadas como interativos podem conter campos do formulário, com atributos action e method da div que serve para resolver esses campos.

Parent

  • body
  • div

Children

  • head (zero ou um)
  • pagination (zero ou um)
  • table (qualquer)
  • p (qualquer)
  • referenceSet (qualquer)
  • list (qualquer)
  • div (qualquer)

Atributos

  • action : (necessário para interativo) O atributo action do formulário determina onde as informações do formulário deverão ser enviadas para processamento.
  • behavior : (opcional para interativo) As opções de comportamento aceitáveis ​​que podem ser usados ​​neste formulário. O único valor possível definidos neste momento é “ajax”, o que significa que o formulário pode ser apresentado várias vezes para cada campo individual neste formulário. Observe que, se o formulário for enviado várias vezes é melhor que o behaviorSensitiveFields seja atualizado.
  • behaviorSensitiveFields : (opcional para interativo) Uma lista de nomes de campos separados por espaço são sensíveis ao behavior. Estes campos devem ser atualizadas cada vez que um formulário é enviado com uma atualização completa da página (ou seja, ajax).
  • currentPage : (opcional) Por divs paginados, o atributo currentPage indica o índice da página atualmente exibida para este div.
  • firstItemIndex : (opcional) Para divs paginados, o atributo firstItemIndex indica o índice do primeiro item incluído nesta div.
  • id : (obrigatório) um identificador único do elemento.
  • interactive : Os valores aceitos (opcionais) são “yes”, “no”. Este atributo determina se o div é interativo ou estático. As divs interativas devem fornecer action e method e pode conter elementos field.
  • itemsTotal : (opcional) Para divs paginados, o atributo itemsTotal indica quantos itens existem em todos os divs paginados.
  • lastItemIndex : (opcional) Para divs paginados, o atributo lastItemIndex indica o índice do último item incluído nesta div.
  • method : (necessário para interativos) Os valores aceitos são “get”, “post”, e “multipart”. Determina o método usado para passar os valores dos fields para o handler especificado pelo atributo action. O método multipart deve ser usado para upload de arquivos.
  • n : (obrigatório) Um identificador de local utilizado para diferenciar o elemento de seus irmãos.
  • nextPage : (opcional) Para divs paginados o atributo nextPage aponta para o URL da página seguinte do div, se ele existir.
  • pagesTotal : (opcional) Para divs paginados, o atributo pagesTotal indica em quantas páginas os divs serão paginados.
  • pageURLMask : (opcional) Para divs paginados, o atributo pageURLMask contém a máscara de uma URL para uma página específica dentro do conjunto paginado. O número da página de destino deve substituir a string {pageNum} da URL para gerar uma URL completa para essa página.
  • pagination : valores aceitos (opcionais) são “simple”, “masked”. Este atributo determina se a div está espalhada por várias páginas. Divs paginadas simples devem fornecer os atributos previousPage, nextPage, itemsTotal, firstItemIndex, lastItemIndex. Divs paginadas masked devem fornecer os atributos currentPage, pagesTotal, pageURLMask, itemsTotal, firstItemIndex, lastItemIndex.
  • previousPage : (opcional) Para divs paginados o atributo previousPage aponta para o URL da página anterior do div, se ele existir.
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usada para substituir o padrão de exibição do elemento. No caso da tag div, é também recomenado incluir um label como “primary” ou “secondary”. Divs marcadas como principal contém conteúdo, enquanto divs secundárias contém informações auxiliares ou campos de suporte.
<body>
     <div n="division-example"
    id="XMLExample.div.division-example">
      <head> Example Division </head>
      <p> This example shows the use of divisions. </p>
      <table ...>
        ...
      </table>
      <referenceSet ...>
        ...
      </referenceSet>
      <list ...>
        ...
      </list>
       <div n="sub-division-example"
    id="XMLExample.div.sub-division-example">
        <p> Divisions may be nested </p>
        ...
       </div>
      ...
     </div>
    ...
</body>

 

DOCUMENT

Document Root

O elemento document é o container raiz de um documento XMLUI. Todos os outros elementos estão contidos dentro dele, direta ou indiretamente. O único atributo que ele tem é a versão do esquema que está sendo usado.

Parent

  • nenhum

Children

  • meta (um)
  • corpo (um)
  • opções (um)

Atributos

  • versão : (obrigatório) Número da versão do esquema que o documento segue. No momento os únicos números de versão válidos são “1.0” ou “1.1”. Iterações futuras deste esquema podem incrementar o número da versão.
<document
   version="1.1">
   <meta>
     ...
   </meta>
   <body>
     ...
   </body>
   <options>
     ...
   </options>
</document>

field

Text Container

Elemento estrutural

O elemento field é um container para todas as informações necessárias para criar um campo de formulário. O atributo type é orbigatório e determina o tipo do campo, enquanto as childrens tags possuem as informações sobre como construí-lo. Os fields só podem aparecer em divs “interativas”.

Parent

  • cell
  • p
  • hi
  • item

Childrens

  • params (um)
  • help (zero ou um)
  • error (qualquer)
  • option (qualquer – apenas com o tipo select)
  • value (qualquer – apenas disponível nos campos do tipo: select, checkbox, ou rádio)
  • field (um ou mais – só com o tipo de composite)
  • ValueSet (qualquer)

Atributos

  • disabled : (opcional)  Valores aceitos são “yes” e “no”. Determina se o campo permite a entrada do usuário. A renderização de campos disabled podem variar de acordo com a mídia de implementação e de exibição.
  • id : (obrigatório) Um identificador exclusivo para um elemento de campo.
  • n : (obrigatório) Um identificador local não-exclusivo usado para diferenciar o elemento de seus irmãos dentro de uma divisão interativa. Este é o nome do campo de utilização, quando os dados são apresentados de volta para o servidor.
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usada para substituir o padrão de exibição do elemento.
  • required : (opcional) Os valores aceitos são “yes”, “no”. Determina se o campo é um componente obrigatório do formulário e, portanto, não pode ser deixado em branco.
  • type : (obrigatório) Um atributo necessário para especificar o tipo de valor. Os types aceitos são:
    • button : um botão que, quando ativado pelo usuário irá enviar o formulário com todos os campos para serem processados no servidor.
    • checkbox : Um input booleano que pode ser selecionado pelo usuário. Um selectbox pode ter vários campos que compartilham o mesmo nome e cada um desses campos pode ser alternado de forma independente. Ele é diferente de um botão em que apenas um campo pode ser selecionado.
    • file : Um input que permite que o usuário selecione os arquivos a serem anexados ao formulário. Note-se que uma formulário que usa um campo file deve usar o method multipart.
    • hidden : Um input que não é exibido na tela e é escondido do usuário.
    • password : um input de linha única, onde o texto de entrada é processado de modo a esconder os caracteres do usuário.
    • radio : um input booleano que pode ser selecionado pelo usuário. Vários campos radio podem compartilhar o mesmo nome. Quando isto ocorre apenas um campo pode ser selecionado. Ele é diferente de um selectbox onde vários campos podem ser selecionados.
    • select : um input de menu que permite ao usuário selecionar elementos a partir de uma lista de opções.
    • text : um input de texto em única linha.
    • textarea : um input de texto em multi-linha.
    • composite : um input composto que vombina vários inputs em um único campo. Os  campos que podem ser colocados em conjunto são: checkbox, password, select, text, and textarea. Quando os campos são combinados eles podem possuir vários valores combinados.
<p>
  <hi> ... </hi>
  <xref> ... </xref>
  <figure> ... </figure>
  ...
   <field id="XMLExample.field.name" n="name" type="text"
    required="yes">
    <params size="16" maxlength="32"/>
    <help>Some help text with <i18n>localized
    content</i18n>.</help>
    <value type="raw">Default value goes
    here</value>
   </field>
</p>

 

figure

Text Container

Elemento estrutural

O elemento figure é utilizado para incorporar uma referência a uma imagem ou um elemento gráfico. Pode ser misturada livremente com o texto e qualquer texto no interior da própria tag será usado como um caption ou uma descrição alternativa.

Parent

  • cell
  • p
  • hi
  • item

Children

  • nenhum

Atributos

  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
  • fonte : (opcional) O source da imagem, usando uma URL ou uma entidade XML pré-definida.
  • alvo : (opcional) Um target para uma imagem usada como um link, utilizando uma URL ou um id de um elemento existente como destino.
<p>
    <hi> ... </hi>
    ...
    <xref> ... </xref>
    ...
    <field> ... </field>
    ...
     <figure source="www.example.com/fig1"> This is a static image.
    </figure> <figure source="www.example.com/fig1"
    target="www.example.net">
      This image is also a link.
     </figure>
    ...
</p>

 

head

Text Container

Elemento estrutural

O elemento head é usado principalmente como um label associado ao seu elemento pai. A renderização é determinada pela tag pai, mas pode ser substituída pelo atributo rend. Uma vez que não pode ser apenas um elemento head associado com uma tag particularo, o atributo on não é necessário, e o atributo id é opcional.

Parent

  • div
  • table
  • list
  • referenceSet

Children

  • nenhum

Atributos

  • id : (opcional) um identificador único do elemento
  • n : (opcional) Um identificador de local usado para diferenciar o elemento de seus irmãos
  • rend : (opcional) Um hint de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
<div …>
     <head> Este é um cabeçalho simples associado com o seu elemento div.
    </head>
    <div ...>
       <head rend="green"> Este cabeçalho será verde.
    </head>
      <p>
         <head> Um cabeçalho com <i18n>conteúdo localizado</i18n>.
    </head>
        ...
      </p>
    </div>
    <table ...>
       <head> ...
    </head>
      ...
    </table>
    <list ...>
       <head> ...
    </head>
      ...
    </list>
    ...
</body>

 

help

Text Container

Elemento estrutural

O elemento opcional help é usado para fornecer instruções de ajuda em texto simples e normalmente está dentro de um elemento field. O método usado para processar o texto de ajuda está no topo do tema.

Parent

  • field

Children

  • nenhum

Atributos

  • Nenhum
<p>
    <hi> ... </hi>
    ...
    <xref> ... </xref>
    ...
    <figure> ... </figure>
    ...
    <field id="XMLExample.field.name" n="name" type="text"
    required="yes">
      <params size="16" maxlength="32" />
       <help>Algum help com <i18n>conteúdo localizado</i18n>.</help>
    </field>
    ...
</p>

 

hi

Rich Text Container

Elemento estrutural

O elemento hi é usado para dar ênfase num texto e ocorre em containers de caracteres como p e list. Pode ser misturado livremente com o texto, e qualquer texto dentro da tag hi será realçada de uma maneira especificada pelo atributo rend. Além disso, o elemento hi é o único componente container de texto que tem um container rich text dentro dele, o que significa que pode conter outras tags além de texto simples. Isso permite que ele contenha outros container de texto, incluindo outras tags hi.

Parent

  • cell
  • p
  • item
  • hi

Childrens

  • hi (qualquer)
  • xref (qualquer)
  • figure (qualquer)
  • field (qualquer)

Atributos

  • rend : (obrigatório) Usado para especificar o tipo exato de ênfase para aplicar ao texto contido. Os valores mais comuns incluem, mas não estão limitados a “bold”, “italic”, “underline”, and “emph”.
<p>
    This text is normal, while  <hi rend="bold">this text is bold and
    this text is <hi rend="italic">bold and
    italic.</hi></hi>
</p>

instância

Elemento estrutural

exemplo elemento contém o valor associado a várias instâncias de um campo de formulário. Os campos codificados como uma instância também deve incluir os valores de cada instância como um campo oculto. O campo oculto deve ser anexado com o número de índice para a instância. Assim, se o campo é “nome” cada instância seria nomeado “firstName_1”, “firstName_2”, “firstName_3”, etc ..

Parente

  • campo

Crianças

  • valor

Atributos

  • Nenhum listado ainda.
Exemplo necessário.

item

Rich Text Container

Elemento estrutural

item de elemento é uma rica contêiner de texto usado para exibir dados textuais em uma lista. Como um contêiner de texto rico que pode conter hiperligações, enfatizou blocos de texto, imagens e campos de formulário, além de texto simples.

item de elemento pode ser associado com um rótulo que o precede directamente. O esquema exige que se um artigo em uma lista tem um associado rótulo , em seguida, todos os outros itens devem ter um também. Isso reduz o problema de conexões soltas entre os elementos que é comumente encontradas em XHTML, uma vez que cada item na lista particular tem a mesma estrutura.

Parente

  • lista

Crianças

  • oi (qualquer)
  • xref (qualquer)
  • figura (qualquer)
  • campo (qualquer)
  • lista (qualquer)

Atributos

  • ID : (opcional) um identificador único do elemento
  • n : (opcional) Um identificador de local não-exclusiva usada para diferenciar o elemento de seus irmãos
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
<Lista de n = "lista-exemplo"
    id = "XMLExample.list.list-exemplo" >
  <head> Lista Exemplo </ head>
   <item> Este é o primeiro item
    </ Item> <item> Este é o segundo item com <hi ...> destaque texto </ oi>,
    <xref ...> um link </ xref> e um <figura
    ...> Imagem </ figure>. </ Item>
  ...
  <Lista de n = "list-example2"
    id = "XMLExample.list.list-example2" >
    <head> Lista Exemplo </ head>
    ITEM <label> UM: </ label>
     <item> Este é o primeiro item
    </ Item>
    ITEM <label> DOIS: </ label>
     <item> Este é o segundo item com <hi ...> destaque
    text </ oi>, <xref ...> um link </ xref> e um <figura
    ...> Imagem </ figure>. </ Item>
    ITEM <label> TRÊS: </ label>
     <item> Este é o terceiro item com um <field ...> ... </ field>
    </ Item>
    ...
  </ List>
   <item> Este é o terceiro item na lista
    </ Item>
  ...
</ List>

etiqueta

Container Texto

Elemento estrutural

rótulo elemento é associado a um item e anota esse item com um número, uma descrição textual de algum tipo, ou uma bala simples.

Parente

  • item

Crianças

  • nenhum

Atributos

  • ID : (opcional) um identificador único do elemento
  • n : (opcional) Um identificador de local usada para diferenciar o elemento de seus irmãos
  • rend : (opcional) Um atributo rend opcional fornece uma dica sobre como o rótulo deve ser processado, independente do seu tipo.
<Lista de n = "lista-exemplo"
    id = "XMLExample.list.list-exemplo" >
  <head> Lista Exemplo </ head>
   <label> </ label>
  <item> Este é o primeiro item </ item>
   <label> </ label>
  <item> Este é o segundo item com <hi ...> destaque texto </ oi>,
    <xref ...> um link </ xref> e um <figura
    ...> Imagem </ figure>. </ Item>
  ...
  <Lista de n = "list-example2"
    id = "XMLExample.list.list-example2" >
    <head> Exemplo Sublist </ head>
     ITEM <label>
    UM: </ label>
    <item> Este é o primeiro item </ item>
     ITEM <label>
    DOIS: </ label>
    <item> Este é o segundo item com <hi ...> destaque
    text </ oi>, <xref ...> um link </ xref> e um <figura
    ...> Imagem </ figure>. </ Item>
     ITEM <label>
    TRÊS: </ label>
    <item> Este é o terceiro item com um <field ...> ... </ field>
    </ Item>
    ...
  </ List>
  <item> Este é o terceiro item da lista </ ​​item>
  ...
</ List>

lista

Elemento estrutural

lista elemento é usado para exibir conjuntos de dados sequenciais. Ele contém um opcional cabeça elemento, bem como qualquer número deitens e lista elementos. itens contêm informações textuais, enquanto sublists conter outros itens ou lista elementos. Um artigo pode também ser associado com um rótulo elemento que anota um item com um número, uma descrição textual de algum tipo, ou um marcador simples. O tipo de lista (ordenada, com marcadores, brilho, etc) é então determinada tanto pelo conteúdo das etiquetas em itens ou por um valor explícito do tipode atributo. Note que, se os rótulos são usados ​​em conjunto com quaisquer itens em uma lista, todos os itens da lista devem ter um rótulo .Também é recomendado para evitar a mistura de etiqueta estilos menos que um tipo explícito é especificado.

Parente

  • div
  • lista

Crianças

  • cabeça (zero ou um)
  • rótulo (qualquer)
  • item (qualquer)
  • lista (qualquer)

Atributos

  • ID : (obrigatório) Um identificador exclusivo do elemento
  • n : (obrigatório) Um identificador de local utilizado para diferenciar o elemento de seus irmãos
  • rend : (opcional) Um atributo rend opcional fornece uma dica sobre como a lista deve ser processado, independente do seu tipo. Os valores mais comuns são, mas não se limitando a:
    • alfabeto : A lista deve ser processado como um índice alfabético
    • colunas : A lista deve ser prestados em colunas de comprimento igual, conforme determinado pelo tema.
    • columns2 : A lista deve ser apresentado em duas colunas iguais.
    • columns3 : A lista deve ser apresentado em três colunas iguais.
    • horizontal : A lista deve ser processado na horizontal.
    • numérico : A lista deve ser processado como um índice numérico.
    • Vertical : A lista deve ser processado verticalmente.
  • digite : (opcional) Um atributo opcional para especificar explicitamente o tipo de lista. Na ausência deste atributo, o tipo de uma lista vai ser inferida a partir da presença e conteúdo dos rótulos em seus itens. Os valores aceitos são:
    • forma : Usado para listas de formulário que consistem em uma série de campos.
    • marcadores : Utilizado para listas com os itens marcados de bala.
    • gloss : Usado para as listas que consistem em um conjunto de termos técnicos, cada uma marcada com uma etiqueta de elemento e acompanhado pela definição marcado como um item de elemento.
    • ordenou : Utilizado para listas com itens numerados ou com letras.
    • progresso : Usado para listas constituídos por um conjunto de etapas sendo realizadas para realizar uma tarefa. Para este tipo de aplicação, cada ponto na lista deve representar um passo e ser acompanhado de uma etiqueta que contém o nome displayable para a etapa. O artigo contém uma referência externa que referencia o passo. Além disso, o rend atributo no item de elemento deve ser: “disponível” (ou seja, o usuário pode pular para o passo usando o fornecido xref ), “indisponível” (o usuário não atender aos requisitos para saltar para o passo), ou “corrente “(o usuário está atualmente no passo)
    • simples : Utilizado para listas com itens não marcados com números ou marcadores.
<div ...>
  ...
   <Lista de n = "lista-exemplo"
    id = "XMLExample.list.list-exemplo" >
    <head> Lista Exemplo </ head>
    <item> ... </ item>
    <item> ... </ item>
    ...
     <Lista de n = "list-example2"
    id = "XMLExample.list.list-example2" >
      <head> Exemplo Sublist </ head>
      <label> ... </ label>
      <item> ... </ item>
      <label> ... </ label>
      <item> ... </ item>
      <label> ... </ label>
      <item> ... </ item>
      ...
     </ List>
    <label> ... </ label>
    <item> ... </ item>
    ...
   </ List>
</ Div>

META

Nível superior-Container

meta elemento é um elemento de nível superior e existe diretamente dentro do documento elemento. Ele serve como um elemento de recipiente para todos os metadados associados a um documento dividido em categorias, de acordo com o tipo de metadados que eles carregam.

Parente

  • documento

Crianças

  • userMeta (um)
  • pageMeta (um)
  • repositoryMeta (um)

Atributos

  • Nenhum
<Versão do documento = 1.0 >
   <meta>
    <userMeta> ... </ userMeta>
    <pageMeta> ... </ pageMeta>
    <repositoryMeta> ... </ repositoryMeta>
   </ Meta>
  <body> ... </ body>
  <opções> ... </ Opções>
</ Documento>

metadados

Container Texto

Elemento estrutural

metadados elemento carrega informações de metadados genérico na forma de um par atributo-valor. O tipo de informação que ele contém é determinada por dois atributos: elemento , que especifica o tipo geral de metadados armazenados, e um opcional qualificador atributo que restringe o tipo baixo. A representação padrão para esse par é element.qualifier. Os metadados real está contida no texto da etiqueta em si.Além disso, uma linguagem atributo pode ser utilizado para especificar o idioma utilizado para a entrada de metadados.

Parente

  • userMeta
  • pageMeta

Crianças

  • nenhum

Atributos

  • elemento : (obrigatório) O nome de um campo de metadados.
  • língua : (opcional) Um atributo opcional para especificar o idioma utilizado na tag de metadados.
  • qualificador : (opcional) Uma postfix opcional para o nome do campo usado para diferenciar os nomes.
<meta>
  <userMeta>
     <Elemento de metadados = "identificador" qualificador = "nome" > Bob
    </ Metadata> <elemento de metadados = "identificador" qualificador = "Sobrenome" > Jones
    </ Metadata> <metadata ...> ...
    </ Metadata>
    ...
  </ UserMeta>
  <pageMeta>
     <elemento de metadados = "direitos"
    Qualificador = "accessRights" > usuário </ metadata> <metadata ...> ...
    </ Metadata>
    ...
  </ PageMeta>
</ Meta>

OPÇÕES

Nível superior-Container

opções de elemento é o principal recipiente para todas as ações e opções de navegação disponíveis para o usuário. Ele consiste em um número qualquer de lista elementos cujos itens contêm informações e ações de navegação. Embora qualquer lista de opções de navegação pode ser contida neste elemento, sugere-se que, pelo menos, os seguintes cinco listas ser incluídos.

Parente

  • documento

Crianças

  • lista (qualquer)

Atributos

  • Nenhum
<Versão do documento = 1.0 >
 
    <meta> ... </ meta>
 
    <body> ... </ body>
 
    <opções>
 
        <Lista de n = "navegação à example1"
    id = "XMLExample.list.navigation-example1" >
 
            <head> Exemplo Lista de Navegação </ head>
 
            <item> <xref target = "/ link / to / opção" > Opção
    Um </ xref> </ item>
 
            <item> <xref target = "/ link / to / opção" > Opção
    dois </ xref> </ item>
 
                ...
 
        </ List>
 
        <Lista de n = "navegação à example2"
    id = "XMLExample.list.navigation-example2" >
 
            <head> Exemplo Lista de Navegação </ head>
 
            <item> <xref target = "/ link / to / opção" > Opção
    Um </ xref> </ item>
 
            <item> <xref target = "/ link / to / opção" > Opção
    dois </ xref> </ item>
 
            ...
 
        </ List>
 
        ...
 
    </ Opções>
 
</ Documento>

p

Rich Text Container

Elemento estrutural

p elemento é uma rica contêiner de texto usado por divs para exibir dados textuais em um formato de parágrafo. Como um contêiner de texto rico que pode conter hiperligações, enfatizou blocos de texto, imagens e campos de formulário, além de texto simples.

Parente

  • div

Crianças

  • oi (qualquer)
  • xref (qualquer)
  • figura (qualquer)
  • campo (qualquer)

Atributos

  • ID : (opcional) um identificador único do elemento.
  • n : (opcional) Um identificador de local usada para diferenciar o elemento de seus irmãos.
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
<Div n = "divisão-exemplo"
    id = "XMLExample.div.division-exemplo" >
 
     <p> Este é um parágrafo normal.
    </ P> Este texto é normal, enquanto <oi rend = "bold" este texto está em negrito
    este texto é <oi rend = "italic" > negrito e itálico. </ oi> </ oi>
    </ P> Este parágrafo contém uma <xref
    target = "/ link / target" > link </ xref>, uma estática <figura
    source = "/ imagem.jpg" > imagem </ figure>, e <figura target =
    "/ Link / target" source = "/ imagem.jpg" > link da imagem. </ figure>
    </ P>
 
</ Div>

pageMeta

Metadados Elemento

pageMeta elemento contém metadados associados com o próprio documento. Ele contém genéricos metadados elementos para transportar o conteúdo, e qualquer número de trilha elementos para fornecer informações sobre a localização atual do usuário no sistema. Valores obrigatórios e sugeridos para metadados elementos contidos no pageMeta incluem, mas não estão limitados a:

  • browser (sugerido): agente de navegação do usuário, como relatado para servidor na solicitação HTTP.
  • browser.type (sugerido): A família do navegador em geral como forma derivada do campo de metadados browser. Os valores possíveis podem incluir “MSIE” (para o Microsoft Internet Explorer), “Opera” (para o navegador Opera), “Apple” (para navegadores baseados kit web Apple), “Gecko” (no Netscape, Mozilla e navegadores baseados Firefox) , ou “Lynx” (para navegadores baseados em texto).
  • browser.version (sugerido): A versão do navegador como relatado por solicitação HTTP.
  • contextPath (obrigatório): A URL base do sistema Digital Repository.
  • redirect.time (sugerido): O tempo que deve decorrer antes que a página é redirecionada para um endereço especificado pelo redirect.urlmetadados elemento.
  • redirect.url (sugerido): O destino URL de uma página de redirecionamento
  • título (obrigatório): O título do documento / página que o usuário navegando.

Veja o metadados e trilha entradas tag para mais informações sobre a sua estrutura.

Parente

  • meta

Crianças

  • metadados (qualquer)
  • trilha (qualquer)

Atributos

  • Nenhum
<meta>
 
    <userMeta> ... </ userMeta>
 
     <pageMeta>
 
        <Elemento de metadados = "title" > Exemplo DRI
    página </ metadata>
 
        <Metadados
    elemento = "contextPath" > / XMLUI / </ metadata>
 
        <metadata ...> ... </ metadata>
 
        ...
 
        <Fonte trilha = "123456789/6" > Um item de migalha de pão
    </ Trilha>
 
        <trail ...> ... </ trilha>
 
        ...
 
     </ PageMeta>
 
</ Meta>

params

Componente estrutural

params elemento identifica parâmetros extras usados ​​para construir um campo de formulário. Existem vários atributos que podem estar disponíveis para este elemento, dependendo do tipo de campo.

Parente

  • campo

Crianças

  • nenhum

Atributos

  • cols : (opcional) O número padrão de colunas que a área de texto deve espalhar. Isto aplica-se apenas aos tipos de campo textarea.
  • maxlength : (opcional) O comprimento máximo que o tema deve aceitar para a entrada de formulário. Isso se aplica a tipos de texto e de campo de senha.
  • múltipla : (opcional) sim / não valor. Determine se o campo pode aceitar vários valores para o campo. Isso se aplica somente para selecionar listas.
  • operações : (opcional) As operações possíveis que podem ser pré-formados sobre este campo. Os valores possíveis são “add” e / ou “excluir”. Se ambas as operações são possíveis, então eles devem ser fornecidos como uma lista separada por espaços. O “add” operações indica que pode haver vários valores para este campo e que o usuário pode adicionar ao conjunto um de cada vez. O front-end deve processar um botão que permite ao usuário adicionar mais campos ao conjunto. O botão deve ser nomeado o nome do campo adicionados com a string “_ADD”, assim se o nome do campo é “Nome” o botão deve ser chamado de “firstName_add.” O “delete” operação indica que pode haver vários valores para este campo cada do qual pode ser removido a partir do conjunto. O front-end deve processar uma caixa de seleção de cada valor do campo, com exceção do primeiro, A caixa de seleção deve ser nomeado o nome do campo adicionados com a string “_selected”, assim se o nome do campo é “Nome” na caixa de seleção deve ser chamado de “firstName_selected “e o valor de cada caixa sucessivo deverá ser o nome de campo. O front-end deve também tornar um botão delete. O nome do botão de exclusão deve ser o nome do campo adicionados com a string “_delete”.
  • linhas : (opcional) O número padrão de linhas que a área de texto deve espalhar. Isto aplica-se apenas aos tipos de campo textarea.
  • Tamanho : O tamanho padrão (opcional) para um campo. Isso se aplica ao texto, senha e selecione os tipos de campo.
<p>
 
    <Id = campo "XMLExample.field.name" n = "nome" type = "text"
    required = "yes" >
 
         <Tamanho params = "16"
    maxlength = "32" />
 
        <help> algum texto de ajuda com <i18n> localizada
    conteúdo </ i18n>. </ help>
 
        padrão > Valor padrão vai aqui </ default >
 
    </ Field>
 
</ P>

referência

Metadados elemento de referência

referência é um elemento de referência utilizado para acessar informações armazenadas em um arquivo de metadados externos. A url atributo é usado para localizar o arquivo de metadados externos. O tipo de atributo fornece uma descrição curta limitado do tipo do objeto referenciado.

referência elementos podem ser tanto contido por includeSet elementos e conter includeSets si, tornando a estrutura recursiva.

Parente

  • referenceSet

Crianças

  • referenceSet (zero ou mais)

Atributos

  • url : (obrigatório) A url para o arquivo de metadados externos.
  • repositoryIdentifier : (obrigatório) Uma referência ao repositoryIdentifier do repositório.
  • digite : (opcional) Descrição do tipo do objeto de referência.
        <IncludeSet n = "lista de browse"
id = "lista XMLTest.includeSet.browse" >
         <Referência url = "/ metadata/handle/123/4/mets.xml"
repositoryID = "123" type = "DSpace
Item "/> <referência url =" / metadata / punho / 123 / mets.xml "
repositoryID = "123" />
        ...
        </ IncludeSet>

referenceSet

Metadados elemento de referência

referenceSet elemento é um recipiente de artefato ou referências de repositório.

Parente

  • div
  • referência

Crianças

  • cabeça (zero ou um)
  • referência (qualquer)

Atributos

  • ID : (obrigatório) Um identificador exclusivo do elemento
  • n : (obrigatório) identificador local usado para diferenciar o elemento de seus irmãos
  • orderBy : (opcional) Uma referência ao campo de metadados que determina a ordenação dos artefatos ou objetos de repositório dentro do conjunto. Quando o esquema de metadados Dublin Core é usado este atributo deve ser o valor element.qualifier que o conjunto é classificada por. Como exemplo, para um navegar pela lista de títulos, o valor deve ser sortedBy = título, enquanto que para navegar pela lista de data deve ser sortedBy = date.created
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
  • Tipo : (obrigatório) Determina o nível de detalhe para os metadados dado. Os valores aceitos são:
    • summaryList : Indica que os metadados de artefatos referenciados ou objetos de repositório deve ser usado para construir uma representação de lista que é adequado para a rápida varredura.
    • summaryView : Indica que os metadados de artefatos referenciados ou objetos de repositório deve ser usado para construir uma visão parcial de um ou mais objetos referenciados.
    • detailList : Indica que os metadados de artefatos referenciados ou objetos de repositório deve ser usado para construir uma representação de lista que fornece uma visão completa ou quase completa, os objetos referenciados. Se esse ponto de vista é possível ou diferente summaryView depende em grande parte do repositório na mão eo tema de execução.
    • detailView : Indica que os metadados de artefatos referenciados ou objetos de repositório deve ser usado para exibir informações completas sobre o objeto referenciado. Prestação de várias referências incluídas no âmbito deste tipo é até o tema.
        <div ...>
        <head> Exemplo Divisão </ head>
        <p> ... </ p>
        <table> ... </ table>
        <list>
        ...
        </ List>
         <ReferenceSet n = "lista de browse"
id = "XMLTest.referenceSet.browse-list" type = "summaryView"
informationModel = "DSpace" >
        <head> Um cabeçalho para o includeset </ head>
        <Referência
url = "/ metadata/handle/123/34/mets.xml" />
        <Referência
url = "" metadados / punho / 123 34 / mets.xml />
         </ ReferenceSet>
        ...
        </ P>

repositório

Metadados Elemento

repositório elemento é usado para descrever o repositório. Seu principal componente é um conjunto de metadados estruturais que a informação transportadora em como os objetos do repositório sob objectMeta estão relacionados uns aos outros. O principal método de codificação estes relacionamentos na altura da elaboração deste documento é um documento SM, embora outros formatos, como RDF, podem ser empregues no futuro.

Parente

  • repositoryMeta

Crianças

  • nenhum

Atributos

  • repositoryID : requiredA identificador único atribuído a um repositório. Ele é referenciado pelo objeto elemento para indicar o repositório que atribuiu seu identificador.
  • url : requiredA url para o arquivo de metadados METS externo para o repositório.
<repositoryMeta>
 
     <Repositório repositoryID = "123456789"
    url = "/ metadata/handle/1234/4/mets.xml" />
 
</ RepositoryMeta>

repositoryMeta

Metadados Elemento

repositoryMeta elemento contém referências metadados sobre os repositórios utilizados no utilizado ou referenciadas no documento. Ele pode conter qualquer número de repositórios elementos.

Veja o repositório de entrada tag para mais informações sobre a estrutura do repositório de elementos.

Parente

  • Meta

Crianças

  • repositório (qualquer)

Atributos

  • Nenhum
<meta>
 
  <userMeta> ... </ usermeta>
 
  <pageMeta> ... </ pageMeta>
 
     <repositoryMeta>
 
        <Repositório repositoryIID = "..." url = "..."
    />
 
     </ RepositoryMeta>
 
</ Meta>

linha

Elemento estrutural

O elemento de linha está contido dentro de um quadro e serve como um recipiente de células elementos. A requerida papel atributo determina como a linha e suas células são prestados.

Parente

  • mesa

Crianças

  • celular (qualquer)

Atributos

  • ID : (opcional) um identificador único do elemento
  • n : (opcional) Um identificador de local usada para diferenciar o elemento de seus irmãos
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
  • papel : (obrigatório) Indica que tipo de informação a linha carrega. Os valores possíveis incluem “cabeçalho” e “dados”.
<Table n = "table-exemplo" id = "XMLExample.table.table-exemplo" linhas = "2"
    cols = "3" >
 
     <Linha
    role = "cabeça" >
 
      <Cols celulares = "2" > Rótulo de Dados Um e
    Dois </ celular>
 
        Rótulo de Dados <célula> Três </ celular>
 
        ...
 
     </ Row> <row>
 
      <célula> Valor Um </ celular>
 
      <célula> Valor Dois </ celular>
 
      <célula> Valor Três </ celular>
 
      ...
 
     </ Row>
 
    ...
 
</ Table>

mesa

Elemento estrutural

tabela de elemento é um recipiente para informações apresentadas em formato tabular. Ele consiste em um conjunto de linhas elementos e um opcional cabeçalho .

Parente

  • div

Crianças

  • cabeça (zero ou um)
  • linha (qualquer)

Atributos

  • cols : (obrigatório) O número de colunas na tabela.
  • ID : (obrigatório) Um identificador exclusivo do elemento
  • n : (obrigatório) Um identificador de local utilizado para diferenciar o elemento de seus irmãos
  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
  • linhas : (obrigatório) O número de linhas na tabela.
<Div n = "divisão-exemplo"
    id = "XMLExample.div.division-exemplo" >
 
     <Table n = "tabela1" id = "XMLExample.table.table1" linhas = "2"
    cols = "3" >
 
        <Papel linha = "cabeça" >
 
          <Cols celulares = "2" > Rótulo de Dados Um e
    Dois </ celular>
 
            Rótulo de Dados <célula> Três </ celular>
 
            ...
 
        </ Row>
 
        <row>
 
          <célula> Valor Um </ celular>
 
          <célula> Valor Dois </ celular>
 
          <célula> Valor Três </ celular>
 
          ...
 
        </ Row>
 
        ...
 
     </ Table>
    ...
</ Div>

trilha

Container Texto

Metadados Elemento

trilha elemento traz informações sobre a localização atual do usuário no sistema relativo de página raiz do repositório. Cada instância do elemento serve como um link no caminho da raiz para a página atual.

Parente

  • pageMeta

Crianças

  • nenhum

Atributos

  • rend : (opcional) Uma dica de renderização usado para substituir o padrão de exibição do elemento.
  • alvo : (opcional) Um atributo opcional para especificar um URL de destino para um elemento trilha servindo como um hiperlink. O texto no interior do elemento vai ser utilizado como o texto da ligação.
<pageMeta>
 
    <Elemento de metadados = "title" > Exemplo DRI
    página </ metadata>
 
    <Metadados
    elemento = "contextPath" > / XMLUI / </ metadata>
 
    <metadata ...> ... </ metadata>
 
    ...
 
     <Alvo trilha = "/ myDSpace" > Um item de miolo de pão apontando para um
    página. </ Trilha> <trail ...> ... </ trilha>
 
    ...
 
</ PageMeta>

userMeta

Metadados Elemento

userMeta elemento contém metadados associados com o usuário que solicitou o documento. Ele contém genéricos metadados elementos, que por sua vez transportam as informações. Valores obrigatórios e sugeridos para metadados elementos contidos no userMeta incluir, mas não limitado a:

  • identificador (sugerido): um identificador único associado com o usuário.
  • identifier.email (sugerido): endereço de e-mail do usuário solicitante.
  • identifier.firstName (sugerido): O primeiro nome do usuário solicitante.
  • identifier.lastName (sugerido): O sobrenome do usuário solicitante.
  • identifier.logoutURL (sugerido): A URL que o usuário será levado para quando sair.
  • identifier.url (sugerido): Uma referência url para a página do usuário no repositório.
  • language.RFC3066 (sugerido): código de seleção de idioma de preferência do usuário solicitante como descrever por RFC3066
  • rights.accessRights (obrigatório): determina o escopo de ações que um usuário pode executar no sistema. Os valores aceitos são:
    • nenhum: O usuário está ou não autenticado ou não tem uma conta válida no sistema
    • usuário: O usuário é autenticado e tem uma conta válida no sistema
    • admin: O usuário é autenticado e pertence ao grupo administrativo do sistema

Veja o metadados entrada tag para mais informações sobre a estrutura de metadados elementos.

Parente

  • meta

Crianças

  • metadados (qualquer)

Atributos

  • autenticados : (obrigatório) Os valores aceitos são “sim”, “não”. Determina se o usuário foi autenticado pelo sistema.
<meta>
 
     <userMeta>
 
        <Elemento de metadados = "identificador" qualificador = "email" > bobJones @ tamu . edu </ metadata>
 
        <Elemento de metadados = "identificador" qualificador = "nome" > Bob </ metadata>
 
        <Elemento de metadados = "identificador" qualificador = "Sobrenome" > Jones </ metadata>
 
        <Elemento de metadados = "direitos" Qualificador = "accessRights" > usuário </ metadata>
 
        <metadata ...> ... </ metadata>
 
        ...
 
        <Fonte trilha = "123456789/6" > Um item de miolo de pão </ trilha>
 
        <trail ...> ... </ trilha>
 
        ...
 
     </ UserMeta>
 
    <pageMeta> ... </ pageMeta>
 
</ Meta>

valor

Rich Text Container

Elemento estrutural

O elemento de valor contém o valor associado a um campo de formulário e podem servir a um propósito diferente para vários tipos de campo. O elemento de valor é composto por dois sub-elementos: o elemento bruto, que armazena o valor não processado diretamente do usuário de outra fonte, eo elemento interpretado que armazena o valor em um formato adequado para exibição para o usuário, possivelmente incluindo rico marcação de texto.

Parente

  • campo

Crianças

  • oi (qualquer)
  • xref (qualquer)
  • figura (qualquer)

Atributos

  • optionSelected : (opcional) Um atributo opcional para selecionar, caixa de seleção e campos de rádio para determinar se o valor deve ser selecionado ou não.
  • optionValue : (opcional) Um atributo opcional para selecionar, caixa de seleção e campos de rádio para determinar o valor que deve ser retornado quando esse valor é selecionado.
  • Tipo : (obrigatório) Um atributo necessário para especificar o tipo de valor. Tipos aceitos são:
    • crua : O tipo de matéria-armazena o valor não processado diretamente do usuário de outra fonte.
    • interpretado : O tipo interpretado armazena o valor em um formato adequado para exibição para o usuário, possivelmente incluindo rico marcação de texto.
    • padrão : O tipo padrão armazena um valor fornecido pelo sistema, utilizado quando há outros valores são fornecidos.
<p>
  <hi> ... </ oi>
  <xref> ... </ xref>
  <figure> ... </ figure>
  <Id = campo "XMLExample.field.name" n = "nome" type = "text"
    required = "yes" >
    <Tamanho params = "16" maxlength = "32" />
    <help> algum texto de ajuda com <i18n> localizada
    conteúdo </ i18n>. </ help>
     <Tipo de valor = "default" > Autor,
    John </ value>
  </ Field>
</ P>

xref

Container Texto

Elemento estrutural

xref elemento é uma referência a um documento externo. Pode ser misturada livremente com o texto e todo o texto no interior da própria etiqueta irá ser usado como parte de corpo visual do elo.

Parente

  • célula
  • p
  • item
  • oi

Crianças

  • nenhum

Atributos

  • alvo : (obrigatório) Um alvo para a referência, utilizando uma URL ou um ID de um elemento existente como um destino para a referência externa .
<p>
     <Alvo xref = "/ url / link / target" > Este texto é mostrado como um link. </ xref>
</ P>
 
Advertisements

Discovery – DSpace 4

Habilitando o Discovery

Original https://wiki.duraspace.org/display/DSDOC4x/Discovery

O Discovery foi adotado como a infraestrutura padrão para busca e navegação no Dspace 4, então não há tarefas manuais para habilitá-lo no Dspace. Se você quer habilitar o Discovery em versões mais antigas veja a documentação para a sua versão do Dspace.

Arquivos de configuração

A configuração é separada em 2 arquivos.

Configurações gerais: O arquivo discovery.cfg localizado na pasta [dspace-install-dir]/config/modules directory.

Configurações da interface do usuário: O arquivo discovery.xml localizado na pasta [dspace-install-dir]/config/spring/api/.

Configurações gerais do Discovery (config/modules/discovery.cfg)

O arquivo discovery.cfg está localizado na pasta [dspace-install-dir]/config/modules e contém as seguintes propriedades:

 

Propriedade:

search.server

Valor de exemplo:

search.server=[http://localhost:8080/solr/search]

Nota:

O Discovery conta com um índice Solr para armazenamento e recuperação de suas informações. Este parâmetro determina a localização do índice Solr.

Propriedade:

index.ignore

Valor de exemplo:

index.ignore=dc.description.provenance,dc.language

Nota:

O Discovery irá incluir todos os metadados do Dspace em seu índice de busca. Nos casos em que metadados específicos são confidenciais, gestores de repositórios podem incluir esses campos, adicionando-os à lista separada por vírgula.

Propriedade:

index.authority.ignore[.field]

Valor de exemplo:

index.authority.ignore=true

index.authority.ignore.dc.contributor.author=false

Nota:

Por padrão, o Discovery irá utilizar as informações de autoridade nos metadados para desambiguar homônimos. A definição dessa propriedade para false fará com que o processo de indexação não inclua informações de autoridade. A configuração pode ser diferente em um campo (<esquema>. <elemento>. <qualificador>) base, a propriedade sem o campo define o valor padrão.

Propriedade:

index.authority.ignore-prefered[.field]

Valor de exemplo:

index.authority.ignore-prefered=true

index.authority.ignore-prefered.dc.contributor.author=false

Nota:

Por padrão, o Discovery irá utilizar as informações nos metadados de autoridade para consultar a autoridade para o label preferido. A definição dessa propriedade para false fará com que o processo de indexação mesmo que os metadados não incluam a informação de autoridade (ou seja, a forma preferida é a registrada no valor de metadados). A configuração pode ser diferente em um campo (<schema>. <elemento>. <qualificador>) base, a propriedade sem um campo coloca o valor padrão. Se a autoridade é um serviço remoto, desabilitar esse recurso pode melhorar muito o desempenho.

Propriedade:

index.authority.ignore-variants[.field]

Valor de exemplo:

index.authority.ignore-variants=true

index.authority.ignore-variants.dc.contributor.author=false

Nota:

Por padrão, o Discovery irá utilizar as informações nos metadados de autoridade para consultar a autoridade para as variantes. A definição dessa propriedade para false fará com que o processo de indexação não inclua informações de autoridade. A configuração pode ser diferente em cada (<esquema>. <elemento>. <qualificador>) base, a propriedade sem um campo coloca o valor padrão. Se a autoridade é um serviço remoto, desabilitar esse recurso pode melhorar muito o desempenho.

 

Modificando a interface do usuário do Discovery ( config/spring/api/discovery.xml )

 

O arquivo discovery.xml está localizado na pasta [dspace-install-dir]/config/spring/api.

 

Resumo da Estrutura

 

Este arquivo está em formato XML, você deve estar familiarizado com XML antes de editá-lo. As configurações são organizadas em conjunto em beans, dependendo da finalidade de utilização destas propriedades.

Este objetivo pode ser derivado da classe dos beans. Aqui está um breve resumo das classes e propriedades que são usadas nos beans.

 

Classe:

DiscoveryConfigurationService

Objetivo:

Define o mapeamento entre as configurações do Discovery separadas de coleções/comunidades individuais

Padrão:

Todas as comunidades, coleções e da homepage (key = default) são mapeados para defaultConfiguration

Classe:

DiscoveryConfiguration

Objetivo:

Agrupa configurações para as facetas da barra lateral, filtros de busca, opções de busca classificar e submissões recentes

Padrão:

Há uma configuração padrao chamada defaultConfiguration

Classe:

DiscoverySearchFilter

Objetivo:

Define os campos de metadados específicos devem ser habilitados como um filtro de pesquisa

Padrão:

dc.title, dc.contributor.author, dc.creator, dc.subject.* and dc.date.issued são definidos como filtros de pesquisa

Classe:

DiscoverySearchFilterFacet

Objetivo:

Define quais campos de metadados devem ser oferecidos como opções da barra lateral de navegação. Cada uma dessas facetas também devem ser um filtros de pesquisa.

Padrão:

dc.contributor.author, dc.creator, dc.subject. * e dc.date.issued

Classe:

HierarchicalSidebarFacetConfiguration

Objetivo:

Define qual metadados campos contêm dados hierárquicos e devem ser oferecidos como uma opção de barra lateral contextual.

Classe:

DiscoverySortConfiguration

Objetivo:

Especifica as opções de classificação a que se refere a DiscoveryConfiguration

Padrão:

dc.title e dc.date.issued são definidos como alternativas para a classificação, com exceção da relevância (hard-coded)

Classe:

DiscoveryHitHighlightingConfiguration

Objetivo:

Define qual metadados campos podem conter hit highlighting & search snippets

Padrão:

dc.title, dc.contributor.author, dc.subject, dc.description.abstract & texto completo de arquivos de texto.

 

Predefinições

 

Além das descrições resumidas dos valores padrão, os detalhes seguintes ajudarão a entender melhor esses padrões. Se você não tiver feito isso, faça o download do arquivo de configuração e o reveja, juntamente com os seguintes parâmetros.

O arquivo contém uma configuração padrão que define as facetas da barra lateral, filtros de busca, de ordenação campos e submissões recentes:

 

  • Sidebar facets

  • searchFilterAuthor: agrupa os campos de metadados dc.contributor.author & dc.creator com um limite 10 facetas, classificado pela quantidade de ocorrências.

  • searchFilterSubject: agrupa todos os campos de metadados assunto (dc.subject *.) com um limite de 10 facetas, classificado pela quantidade de ocorrências.

  • searchFilterIssued: contém o campo de metadados dc.date.issued, que é identificado com o tipo “data” e classificadas por valores de data específicos.

  • Search filters

  • searchFilterTitle: contém o campo de metadados dc.title

  • searchFilterAuthor: contém os campos de metadados dc.contributor.author & dc.creator

  • searchFilterSubject: contém os campos de metadados dc.subject *.

  • searchFilterIssued: contém o campo de metadados dc.date.issued com o tipo “data”

  • Sort fields

  • sortTitle: contém o campo de metadados dc.title

  • sortDateIssued: contém o campo de metadados dc.date.issued, este sort tem o tipo data configurado.

  • defaultFilterQueries

  • A configuração padrão não contém defaultFilterQueries

  • As consultas de filtro padrão são desativados por padrão, mas há um exemplo na configuração padrão nos comentários, que permite a descoberta para retornar apenas os itens (em oposição às comunidades também / coleções).

  • Recent Submissions

  • As submissões recentes são classificadas segundo dc.date. accessioned que é uma data e um número máximo de 5 submissões recentes são exibidas.

  • Hit highlighting

  • Os campos dc.title, dc.contributor.author & dc.subject podem conter hit highlighting.

  • O dc.description.abstract & campo de texto completo são usados ​​para renderizar search snippets.

     

Muitas das propriedades contêm listas que usam referências para apontar para os elementos de configuração. Desta forma, um determinado tipo de configuração pode ser utilizada em várias configurações de detecção de modo que não há necessidade de duplicá-las.

 

Personalização da barra lateral e filtros de pesquisa

 

Esta seção explica as propriedades de filtros de pesquisa e facetas da barra lateral. Cada faceta lateral deve ocorrer na lista de referências dos filtros de pesquisa. Abaixo está um exemplo de configuração de um filtro de busca que não é utilizado como uma faceta lateral.

 

<bean id=”searchFilterTitle” class=”org.dspace.discovery.configuration.DiscoverySearchFilter”>

<property name=”indexFieldName” value=”title”/>

<property name=”metadataFields”>

<list>

<value>dc.title</value>

</list>

</property>

</bean>

 

Os atributos id & classe são obrigatórios para este tipo de bean. As propriedades que ele contém são discutidas abaixo.

  • indexFieldName (Obrigatório): Um nome de filtro de pesquisa único, os metadados serão indexadas no Solr com este nome.

  • metadatafields (Obrigatório): A lista dos campos de metadados que devem ser incluídos na faceta.

 

As facetas da barra lateral estendem o filtro de pesquisa e adicionam algumas propriedades adicionais. A seguir é apresentado um exemplo de um filtro de busca, que também é utilizado como uma faceta lateral.

 

<bean id=”searchFilterAuthor” class=”org.dspace.discovery.configuration.SidebarFacetConfiguration”>

<property name=”indexFieldName” value=”author”/>

<property name=”metadataFields”>

<list>

<value>dc.contributor.author</value>

<value>dc.creator</value>

</list>

</property>

<property name=”facetLimit” value=”10″/>

<property name=”sortOrder” value=”COUNT”/>

<property name=”type” value=”text”/>

</bean>

 

Observe que a classe foi alterada de DiscoverySearchFilter para SidebarFacetConfiguration. Isto é necessário para suportar as propriedades extras.

 

  • facetLimit (opcional): O número máximo de valores a ser mostrado. Essa propriedade é opcional, se nenhum for especificado o valor padrão “10” será usado. Se o filtro tem o tipo de data, esta propriedade não será utilizado pois as datas são agrupadas automaticamente.

  • sortOrder (opcional): A ordem de classificação para as facetas da barra lateral, que podem ser COUNT ou VALUE. O valor padrão é COUNT.

  • COUNT serão classificados pela quantidade de vezes em que aparecem no repositório

  • VALOR serão classificados em ordem alfabética

  • type (opcional): o tipo de faceta de barra lateral pode ser “data” ou “text” sendo “text” o valor padrão.

  • text: As facetas será tratado como elas são

  • date: Apenas o ano será armazenado no índice Solr. Estes anos são automaticamente exibidos em intervalos que ficam menores quando você os seleciona.

Aside

Nesse artigo vamos aprender como o DSpace utiliza e como criar um vocabulário controlado e utilizar num formulário do repositório. Esse tutorial foi feito com base na Wiki do DSpace.

Configurando vocabulários controlados

Os vocabulários controlados são usados para limitar o conjunto de palavras-chave que os usuários podem usar para descrever itens. A limitação desse conjunto de palavras-chave é importante para eliminar a ambiguidade de um sistema de decsrição livre, para simplificar a tarefa de localizar itens de informação específicos. Os vocabulários controlados permitem que o usuário escolha entre um conjunto definido de palavas-chave organizados em uma árvore (taxonomia) e, em seguida, usar essas palavras-chave para descrever os itens enquanto eles estão sendo submetidos.

As taxonomias são descritas num XML seguindo a estrutura abaixo:

<node id="acmccs98" label="ACMCCS98">
    <isComposedBy>
        <node id="A." label="General Literature">
            <isComposedBy>
                <node id="A.0" label="GENERAL"/>
                <node id="A.1" label="INTRODUCTORY AND SURVEY"/>
                ...
            </isComposedBy>
        </node>
    ...
    </isComposedBy>
</node>

Você é livre para usar qualquer aplicativo para criar seus vocabulários controlados. Um editor de texto simples deve ser o suficiente para pequenos projetos. Projetos maiores exigirá ferramentas mais complexas. Você pode usar Protegé para criar suas taxonomias, salvá-los como OWL e, em seguida, usar uma folha de estilo XML (XSLT) para transformar os seus documentos para o formato apropriado.

Novos vocabulários devem ser armazenados no diretório [dspace]/config/controlled-vocabularies/e precisa estar de acordo com a estrutura descrita.

Os vocabulários precisam estar associados com o campo de metadado DC correspondente. Editeo arquivo [dspace]/config/input-forms.xml e coloque uma tag “vocabulary” dentro do elemento “field” que você deseja ter o controle. Sete o valor do elemento “vocabulary” com o nome do arquivo xml que contém o vocabulário sem a extensão (o add-on carregará somente arquivos “*.xml”). Por exemplo:

<field>
    <dc-schema>dc</dc-schema>
    <dc-element>subject</dc-element>
    <dc-qualifier></dc-qualifier>
    <repeatable>true</repeatable>
    <label>Subject Keywords</label>
    <input-type>onebox</input-type>
    <hint>Enter appropriate subject keywords or phrases below.</hint>
    <required></required>
    <vocabulary>srsc</vocabulary>
</field>

O elemento vocabulário tem um atributo closed (booleano e opcional) que pode ser usado para forçar a inserção somente com o Javascript do add-on de vocabulário controlado. O comportamento padrão é closed=”false”, que permite que o usuário entre com um texto livre.

Os seguintes vocabulários estão disponíveis por padrão:
nsi –nsi.xml – The Norwegian Science Index
srsc –srsc.xml – Swedish Research Subject Categories

Mão na massa

Após a explicação de como o DSpace trabalha vamos ao processo. Primeiramente, criaremos o arquivo assunto.xml salvaremos na pasta [dspace]/config/controlled-vocabularies/

<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<node id="assunto" label="Assuntos">
    <isComposedBy>
        <node id="A." label="Humor">
            <isComposedBy>
                <node id="A.0" label="Geral"/>
                <node id="A.1" label="Infantil"/>
            </isComposedBy>
        </node>
        <node id="B." label="Ficção Científica">
            <isComposedBy>
                <node id="B.0" label="Viagem no tempo"/>
                <node id="B.1" label="Vida extraterrestre"/>
            </isComposedBy>
        </node>
        <node id="C." label="Terror">
            <isComposedBy>
                <node id="C.0" label="Histórias de Fantasmas"/>
                <node id="C.1" label="Mitos"/>
            </isComposedBy>
        </node>
    </isComposedBy>
</node>

Agora vamos alterar formulário de entrada através do arquivo input-forms.xml input localizado na pasta[dspace]/config/. Nesse caso vamos mapear o campo dc.subject para utilizar o nosso vocabulário controlado.

<field>
    <dc-schema>dc</dc-schema>
    <dc-element>publisher</dc-element>
    <dc-qualifier></dc-qualifier>
    <repeatable>true</repeatable>
    <label>Editora (Publisher)</label>
    <input-type>onebox</input-type>
    <hint>Digite o assunto ou selecione-o abaixo.</hint>
    <required></required>
    <vocabulary>assunto</vocabulary>
</field>

Após a finalização das alterações, reinicie o servidor web e inclua um item numa coleção para ver o formulário alterado.

Adicionando um vocabulário controlado no DSpace

Instalação do DSpace 4.1 em sistemas Ubuntu like

Após o lançamento da versão 4.1 do DSpace em 03/03/2014, resolvi criar uma máquina virtual para testar a estabilidade e novas funcionalidades da versão.

Devido ao processo de instalação ser um pouco difícil chato, com diversas configurações para se fazer e tudo mais (como já havia publicado nos Slideshare http://www.slideshare.net/royopa1/instalao-dspace-3x-windows-e-linux), resolvi criar um script para instalação de forma quase que automática do DSpace. Para esse processo utilizei como base o artigo DSpace LiveCD da Wiki do DSpace, https://wiki.duraspace.org/display/DSPACE/LiveCD.

Esse projeto está no GitHub (https://github.com/royopa/dspace-auto-install/), então quem tiver interesse de melhorá-lo, adequá-lo conforme as suas necessidades fiquem à vontade!.

1º Passo – Baixar uma imagem do Ubuntu

Para evitar o processo de instalação do Linux foi baixada uma imagem do XUbuntu, localizada no site Virtual Box Images, conforme abaixo:

Xubuntu 12.04 codename Precise Pangolin
Size (compressed/uncompressed): 502.2 MBytes / 2.6 GBytes
Active user account(s) (username/password): xubuntu/reverse

Após ter a máquina virtual baixada e funcionando siga para os próximos passos. Esse artigo não tem a intenção de ensinar como criar uma máquina virtual, mas procurando no Google você verá que o processo é bem fácil.

2º Passo – Baixar os arquivos/scripts para instalação do DSpace

Baixe os arquivos para a instalação do DSpace e extraia-os numa pasta no diretório home da máquina virtual.

3º Passo – Alterar os parâmetros de instalação

Altere e salve os arquivos abaixo, localizados na pasta que você extraiu no passo acima, com os parâmetros que você deseja.

No meu caso eu utilizei como servidor de e-mail o Gmail, portanto caso você utilize uma conta do Gmail também basta alterar o endereço de e-mail e a senha pelos dados da sua conta.

build-dspace (altere para a versão do DSpace que se deseja instalar)

VERSION_DSPACE="4.1" 

build.properties

dspace.name = DSpace
default.language = pt_BR

dspace.cfg

dspace.name = DSpace
default.language = pt_BR
mail.server=smtp.gmail.com
mail.server.username = treinamento.dspace@gmail.com
mail.server.password = yourPassword
mail.extraproperties = mail.smtp.socketFactory.port=465, \
mail.smtp.socketFactory.class=javax.net.ssl.SSLSocketFactory, \
mail.smtp.socketFactory.fallback=false
mail.from.address = treinamento.dspace@gmail.com
feedback.recipient = treinamento.dspace@gmail.com
mail.admin = treinamento.dspace@gmail.com
alert.recipient = treinamento.dspace@gmail.com
registration.notify = treinamento.dspace@gmail.com

4º Passo – Iniciar o processo de instalação

Abra o terminal, vá até a pasta onde os arquivos estão localizados e execute o script de instalação:

$ ./build-dspace

Algumas vezes o script solicitará a senha do root ou alguma confirmação, basta responder a solicitação que o script continua sem problemas.

Esse processo baixa todas as depêndencias necessárias, instala e compila o DSpace, portanto é um processo um pouco demorado, dependendo da velocidade da sua conexão de internet.

Caso tenha ocorrido tudo bem, será exibida uma mensagem Build completed! 

Pronto, o DSpace está instalado, basta acessar através do endereço: http://localhost:8080/xmlui por exemplo.

O usuário administrador criado foi o dspace com a senha dspace.

Como contribuir para o DSpace

Esse artigo abaixo é uma tradução minha para a página da wiki do DSpace How to Contribute to DSpace, acessada em 01/04/2013.

Formas de contribuir e participar

Você não tem que apenas contribuir com o código! Há outras maneiras que você pode contribuir:

  • Comunicação – Use as listas de discussão, o Wiki e o canal de chat IRC DSpace para se comunicar com a comunidade.
  • Participação – Participe de grupos de usuários, conferências, eventos de biblioteca, reuniões de desenvolvimento – e qualquer outro local onde os usuários DSpace reúnem para compartilhar informações e idéias. Se você é um desenvolvedor (ou está apenas interessado ​​em discussões sobre desenvolvimento), participe das reuniões semanais Developer Meetings. Se você é um gerente de repositório, você pode ser voluntário para o DSpace Community Advisory Team ou participar das reuniões / discussões on-line.
  • Teste – Faça o download e experimente versões beta, forneça relatórios de erros, experiências, feedback. O servidor demo DSpace oferece um lugar para testar a versão mais recente. Se você encontrar um bug, relate-o através do Issue Tracker.
  • Desenvolvimento – Contribua com correções de bugs, novas funcionalidades, ciclos de desenvolvimento. Contribuir com o código é muito mais fácil do que você imagina! Veja como contribuir com o código e Code Contribution Guidelines para mais detalhes.
  • Tradução – Traduzir a interface do usuário DSpace para a sua língua, usando o novo language pack existente desde a versão DSpace 1.3. Veja I18nSupport para mais detalhes.
  • Protótipo – A melhor maneira de obter apoio para uma idéia é construir e compartilhar um protótipo. Se você gostaria de compartilhar protótipos existentes, consulte Code Contribution Guidelines para mais detalhes.
  • Implantação – Compartilhe suas experiências na implantação de DSpaces em organizações e diferentes situações, em pequenas e grandes escalas.
  • Suporte – Torne-se membros ativos nas mailing lists, responda a dúvidas de outras pessoas e ajude-os a resolver os seus problemas técnicos.
  • Experimente – Pegue o sistema para “dar uma volta”, experimente-o com diferentes tipos de conteúdo e cenários; diga a todos o que você encontrar. Novamente, o servidor demo DSpace oferece um lugar para experimentar a versão mais recente do DSpace. (Se você estiver rodando um grande teste de escalabilidade no servidor de demonstração, por favor, avise-nos por e-mail através das mailing lists “dspace-devel”.
  • Doe conteúdo e metadados – Para testar e experimentar o DSpace, coleções de testes livres de direitos de uso são necessárias. Contacte-nos através das mailing lists se você tiver conteúdo para doar para testes.
  • Solicitar novos recursos / compartilhar idéias – Existe algo que você realmente precisa de DSpace ou não está funcionando direito? Solicite novos recursos / melhorias ou relatórios de bugs relatório através do Issue Tracker. Você também pode votar sobre os recursos existentes, ou adicionar seus próprios comentários / sugestões. Ambos podem ajudar os desenvolvedores a decidir quais questões são as mais importantes para a comunidade. Consulte a seção sobre Como contribuir com ideias ou sugerir novas funcionalidades para mais detalhes.
  • Ajuda a melhorar a documentação – Nossa Documentação DSpace é agora gerenciado diretamente através de uma nova seção do nosso Wiki: DSpace 1.8 Documentation. Embora os usuários Wiki normais não podem editar essa área da Wiki, você sempre pode adicionar comentários para adições / alterações / sugestões. Se você estiver interessado em contribuir de forma mais formal, seja voluntário para ajudar através de uma das mailing lists, e nós podemos adicionar ao nosso Time de Documentação e fornecer-lhe os direitos de acesso para editar / melhorar a documentação diretamente.
  • Deixe-nos saber se existe alguma maneira de facilitar o processo de contribuição para o DSpace
  • Não seja tímido! Contribuições não tem que ser 100% polido ou perfeito, ninguém vai pensar menos de você. “Compartilhar cedo, muitas vezes partes” é um conhecido mantra do código aberto. Quanto mais cedo você contribuir com alguma coisa, os outros mais cedo podem ajudar com o polimento, e você já não terá que manter a personalização contra a evolução da plataforma central DSpace, uma vez que será parte da plataforma!

 

Plataformas para Contribuição e Participação

  • Este Wiki – Ajude tornando esse Wiki útil, conciso e com informações atualizadas:
    • fornecendo conteúdo
    • corrigindo conteúdo
    • removendo conteúdo obsoleto
    • reestruturando ou melhorando o conteúdo
  • As Mailing Lists – Torne uma parte ativa na discussão sobre DSpace.
    • compartilhe suas opiniões sobre o DSpace
    • faça perguntas
    • forneça feedback
  • Documentação Oficial do DSpace
    • adicione comentários aos documentos existentes, para ajudar a melhorar o conteúdo
    • ser voluntário para ajudar a melhorar o o conteúdo
  • DSpace GitHub – O GitHub permite o desenvolvimento de código social e colaborativo! Você pode criar sua própria conta GitHub (é grátis) para começar e então “fork” nosso repositório e inicie criando suas próprias modificações (que podem ser enviadas de volta para nós através de “Pull Request” no GitHub). Para muito mais informações consulte Development with Git.
  • The Feature/Issue Tracking System (JIRA) (use o mesmo login da Wiki)
    • relatórios de bugs
    • solicitação de feature/novos recursos
    • patches
    • votar sobre problemas existentes ou adicionar seus próprios comentários
    • “assistir” sobre problemas existentes (você receberá um e-mail automaticamente assim que um comentário for adicionado ou o status do problema for atualizado)
    • trabalhar numa feature/issue (basta adicionar um comentário ao problema)
  • O canal de IRC DSpace – Apenas uma maneira informal de discutir idéias e fazer perguntas. Você também pode ajudar outras pessoas que precisam de alguma ajuda imediata.

 

Como Contribuir com Idéias ou Sugerir Novas Funcionalidades

Recebemos sempre novas idéias ou sugestões para novas funcionalidades. No entando, existem algumas coisas que você deve ter em mente que podem aumentar as chances da sua funcionalidade ser incluída no DSpace!

1. Faça com que os desenvolvedores DSpace conheçam o seu pedido

Você deve submeter suas idéias ou requisições de funcionalidades para o Issue Tracking System (JIRA) (utilize o memo login da Wiki). No entanto, antes de passar pelo processo de apresentação de suas idéias é melhor pesquisar o Issue Tracker para ver se outras pessoas já solicitação essa funcionalidade. Se alguém pediu esse recurso, você pode adicionar comentários com as suas idéias ou  votar para que o recurso seja adicionado/implementado.

Se essa funcionalidade não foi solicitada por ninguém, faça o pedido! (Não se preocupe, se ele for um pedido dublicado, você ficará sabendo). Seu pedido entrará numa fila, onde passará por uma revisão completa.

Algumas coisas para ter em mente quando for fazer um pedido:

  1. Forneça sempre o máximo de detalhes que você conseguir. Um parágrafo para descrição é bom, mas alguns parágrafos com alguns casos de uso é ainda melhor. Geralmente é muito difícil trabalhar com uma única sentença para descrição e nós podemos pedir-lhes mais informações para entender o que você está pedindo.
  2. Se você tem casos de uso ou necessidades locais, por favor, descreva para nós. Os casos de uso realmente ajudam os desenvolvedores a entender por que esse recurso é importante. Além disso, casos de uso podem ajudar a localizar outras instituições com necessidades semelhantes (que podem estar dispostos a ajudar no desenvolvimento dessa função).
  3. Espere que provavelmente teremos que lhe fazer algumas perguntas. Mesmo com descrições detalhadas/casos de uso, há chances de termos que acompanhar com você durante o andamento para mais alguns detalhes ou para ter certeza de que entendemos exatamente o seu pedido. Então, por favor esteja disposto a responder perguntas ou pedidos de informações adicionais. Sempre que alguém comentar sobre um problema recém-criado você receberá um e-mail do sistema Issue Tracker.

2. Anuncie seu Pedido para Outros e Ajude-nos a Encontrar Um ou Dois Desenvolvedores Voluntários

Todos os nossos desenvolvedores/commiters DSpace são voluntários. Vamos repetir: Todos os nossos Desenvolvedores/Commiters do DSpace são voluntários. Isso significa que o núcleo do time de Desenvolvimento DSpace (ex: Commiters) nem sempre têm controle sobre quanto tempo eles podem gastar no desenvolvimento de novas funcionalidades para o DSpace. Em muitos cados, os Commiters só podem trabalhar em novas funcionalidades que são de interesse para a instituição/universidade onde trabalham.

Portando, mesmo que os Commiters concordem que uma nova funcionalidade pareça valer a pena, muitas vezes precisamos primeiro encontrar uma instituição que esteja disposta a dar tempo de seu desenvolvedor para o desenvolvimento dessa funcionalidade.

Você pode ser capaz de nos ajudar a acelerar este processo! Veja o que você pode fazer para ajudar:

  • Se você tem um desenvolvedor local que tem tempo para trabalhar nessa funcionalidade, deixe-nos saber quando você enviar a questão (ou adicionar um comentário mais tarde). Se um colaborador local já pode analisar o pedido/funcionalidade, nós só precisamos aprovar o código (ver Diretrizes de Contribuição de Código para detalhes sobre o processo de Aprovação/Aceitação de código do DSpace).
  • Se você souber de outras instituições com necessidades semelhantes, diga-lhes para “votar” no seu pedido pelo Issue Tracker, ou adicionar os seus próprios casos de uso/comentários. Além disso, se algum deles tem um desenvolvedor com tempo para desenvolver esse recurso, avise-nos!
  • Se você não tem certeza se outras instituições podem ter essa necessidade, você pode promover o seu pedido enviando um e-mail para as mailing lists ‘dspace-general’ or ‘dspace-tech’ , pedindo feedback para outras pessoas. Felizmente outras pessoas podem adicionar comentários/sugestões ou até mesmo nos apontar a direção sobre um desenvolvedor voluntário interessado.
  • Mesmo se não pudermos encontrar um desenvolvedor interessado na comunidade, muitos Commiters do DSpace irão analisar o pedido e ver se um ou mais Commiters têm tempo para se dedicar ao trabalho. Em alguns casos um commiter pode ser capaz de convencer sua instituição da importância da nova funcionalidade (novamente, os casos de uso são amostras úteis para convencer instituições da importância da funcionalidade.

3. Responda a Revisão Formal do seu Pedido (se necessário)

Cada solicitação de recurso tem a garantia de ter uma revisão formal por pelo menos um dos dois grupos (possivelmente ambos):

  1. Os Commiters do DSpace – Eles analisam cada pedido de funcionalidade ou relatório de bug que vem do sistema, muitas vezes em reuniões semanais de desenevolvimento – as Developer Meetings. Nota: Devido a atrasos ocasionais, pode haver um atraso de várias semanas/meses antes do seu pedido ter uma revisão formal dos Commiters. No entanto, é interessante notar que o seu pedido será imediatamente enviado a lista ‘dspace-devel’, onde os desenvolvedores individuais podem fornecer feedback imediato antes da revisão formal ocorrer. Assim, você pode não precisar esperar tanto tempo para uma resposta imediata, ou mesmo para um desenvolvedor se voluntariar para trabalhar nessa funcionalidade.
    • Para mais informações sobre as questões que Commiters estão planejando a revisão em sua próxima reunião, consulte a agenda publicada na página Developer Meetings. Observação: Os Commiters sempre revisam as questões na ordem em que são recebidas. No entanto, como mencionados acima, todas as solicitações de novas funcionalidades são enviadas para ‘dspace-devel’, portanto, se há interesse imediado entre os desenvolvedores, você pode achar que vai receber mais feedback imediato e/ou perguntas.
  2. DSpace Community Advisory Team – Eles revisam e solicitam feedbacks adicionais sobre qualquer pedido de nova funcionalidade. Esse time é composto de Gerentes de Repositórios (ou similar) que oferecem feedback adicional para os Commiters em novas funcionalidade.

Depois de uma revisão formal, um comentário será adicionado ao seu pedido (que também vai gerar um e-mail para você). Esse comentário vai detalhar os resultados da análise inicial, juntamente com todas as perguntas que surgiram. Se você tiver tempo, por favor, responda a essas perguntas ou encoraje outros a respondê-las. Estas perguntas são frequentemente usadas para nos ajudar a entender melhor o pedido para que possamos garantir uma compreensão comum.

4. Mantenha Contato com o Pedido

Deixe-nos saber se você precisa de atualizações sobre o status da solicitação de recursos. Basta adicionar um comentário na sua questão, solicitando o status mais recente e nós vamos responder o mais breve possível.

Existem várias razões pelas quais um pedido de recurso não pode ter tido qualquer atividade recente:

  1. Podemos ter um backlog de pedidos e apenar não ter chegado a revisão formal ainda.
  2. Nós precisamos encontrar um desenvolvedor (ou commiter) que tem tempo para desenvolver essa função. Nestes cados, pode-se localizar outras instituições que possam estar interessados, que muitas vezes podem ajudar na busca de um desenvolvedor voluntário.
  3. Nós estamos esperando respostas de uma ou mais questões colocadas em comentários anteriores. Se precisarmos de mais esclarecimentos você deve ficar sabendo.
  4. Nós estamos fazendo a “Revisão de Código” em qualquer código apresentado, para garantir que é seguro e estável o suficiente para ser liberado no DSpace. Para mais informações sobre o nosso processo de aprovação de código, veja Diretrizes de Contribuição de Código.
  5. Também é possível que tenha um ou mais desenvolvedores trabalhando ativamente no recurso, mas que o trabalho ainda não está num estado completo.

5. Uma vez que seu Pedido é Aceito no DSpace

Se o seu pedido for aceito formalmente no DSpace, você receberá um e-mail assim que o pedido for “Close” ou “Resolve” no nosso Issue Tracker. Naquele momento, o Issue Tracker será atualizado para indicar em qual versão do DSpace este novo recurso será incluído.

Uma vez que a versão DSpace é liberada, o seu nome (e um link para o seu pedido inicial) aparece em nossa seção Version History da documentação DSpace. Você também será adicionado à nossa lista de todos os DSpaceContributors conhecidos. Essa é a nossa maneira de garantir que você receberá reconhecimento por suas contribuições para o DSpace!

Usando o mantra: “compartilhar cedo, muitas vezes em partes”, vou parar por enquanto por aqui, e continuarei aos poucos…

How To Contribute Code or Development Time

Where to Obtain the Source Code

If you plan to develop new features for DSpace, we recommend forking and cloning our Source Code via Github:

More information on using DSpace + GitHub is at: Development with Git

Development Hints/Tips
More hints/tips on developing with DSpace are available in the following locations:

Our Development Policies / Mantra

For more information on our DSpace Code Approval/Acceptance process (i.e. how to get your code accepted in DSpace), please see our Code Contribution Guidelines.

The overriding mantra is share early, share often. Here are a few things to consider:

  • Please be sure to share your plans with the DSpace community on the ‘dspace-devel’ list (or via one of the weekly Developer Meetings) before embarking on any sizable development effort. This will ensure you achieve your goals in a way that is consistent with the DSpace architecture and plans of the rest of the community. This will minimize the chances of a scenario where you have invested a large amount of time and effort into a body of code that does not fit in with the DSpace architecture or the consensus of the community, meaning that you need to spend further time refactoring your code or worse, ‘forking’ the code.
  • Develop incrementally; try and implement and contribute a basic form of your feature as soon as possible, rather than aiming to implement a complete and ‘polished’ solution. This will help ensure you’re on the right track with regards to the rest of the DSpace community and platform. The sooner your code is part of the core code base, the less time you will have to spend ‘chasing’ the main code base, i.e. keeping your changes up-to-date with that core code base.
  • Obtain the DSpace code using GitHub. This will make code management much easier. It’s very simple to do; see Developer Guidelines and Tools and Development with Git.
  • Read Code Contribution Guidelines to ensure you are following DSpace conventions. This page also gives you a sense of the DSpace Code Approval processes.

Looking for a Project to Work on?

Do you have a developer (or two) with some extra time? Are you looking for ways that you can help the community and improve your local DSpace?

Please, take a look at our current listing of ‘unassigned’ New Feature requests or DSpace Improvements. Any help you can provide would be much appreciated!

But, before you get started, please make sure to do the following:

  1. Add a comment to the Feature/Improvement you plan to work on, letting us know you will work on it.
  2. If you’d like more input on the feature/improvement, or potential requirements, post your questions and/or plans as a comment as well.
  3. Make sure your developer is following our Code Contribution Guidelines. If you have questions about any guidelines, or want some early feedback/suggestions from developers, please get in touch with us on the ‘dspace-devel’ listserv. We’d be glad to help make suggestions on ways in which to implement the new feature, and the earlier you get in touch, the earlier we can give you feedback on whether there’s anything you may need to change before we can accept it as part of out-of-the-box DSpace. See also the Code Review Process on the Code Contribution Guidelines page.
  4. If you run into any “gray areas”, ask questions! If it’s a development issue, contact the Developers via the ‘dspace-devel’ listserv. If it’s a policy issue or requires feedback from Repository Managers, get in touch with the DSpace Community Advisory Team, as they can help you query the community for feedback and/or provide you with their immediate opinions

Most of all: Thanks! The more individuals/institutions can give back to DSpace, the better the software is for everyone!

Submitting Code Changes

See Code Contribution Guidelines for guidelines that all submissions must adhere to. That page also describes the general process for how a patch/contribution gets accepted into DSpace. The mechanics of creating a patch file are described in Developer Guidelines and Tools.

Copyright and Licensing of Code Contributions

In the words of the PostgreSQL Global Development Group, which also uses the BSD license, “The simplest explanation of the licensing terms is that you can do whatever you want with the product and source code as long as you don’t claim you wrote it or sue us.” The BSD License under which DSpace is made available does not require you to make your changes public or open-source. It does allow for proprietary commercial use, and for DSpace-derived creations to be incorporated into proprietary commercial products. Works based on DSpace may even be released under a proprietary license (but still must maintain the license requirements).

You are encouraged, but not obligated, to share your contributions with the DSpace community. If you choose to do so, you will need to sign over copyright and intellectual property rights of your code to DuraSpace, to be distributed via the BSD license. DuraSpace is a 501c(3) non-profit established to be the legal guardian of the code and to remain mission centric on providing free and open source software for management and archiving of digital works. Also, your code cannot rely on any non-BSD compatibly licensed code.

The BSD license means there is no advantage to be gained by your university (or anyone) retaining copyright, and that by having different copyright holders of different sections of the code, we will be rendered inflexible regarding copyright and licensing in the future, we do ask that you transfer copyright of your modifications to DuraSpace.

You will receive full acknowledgment for contributing the code; so we do encourage you to incorporate your enhancements to DSpace’s functionality for everyone to benefit. You will also see benefits since you will neither have to re-incorporate the changes with new versions of DSpace, nor maintain this code solely yourself!

If your code contribution uses third-party products/tools, you should also double-check that they use a compatible open source license. Compatible licenses are listed at: Licensing of Contributions section of the Code Contribution Guidelines page.